sábado, 29 de outubro de 2011

EVITAR A DECADÊNCIA

A decadência do homem contemporâneo foi ontem definida pelo Papa, em Assis: resulta da ausência e negação de Deus e realiza-se silenciosamente, de modo subtil e, por isso, perigoso.
Gradualmente, o Homem, em vez de adorar a Deus, passa a adorar o dinheiro, o ter e o poder. Passa a sobrepor o interesse pessoal a tudo o resto, tornando-se cada vez mais violento. E assim se destrói a paz. E, ao destruir a paz, o Homem destrói-se a si mesmo.
É um terrível retrato, perante o qual nenhum de nós está imune, pois, mesmo que teoricamente nos afirmemos do lado de Deus, a Sua ausência no concreto da nossa vida é uma triste possibilidade. Como aqueles que dizem ter de uma religião, mas não praticam...
Está, pois, nas nossas mãos evitar a nossa própria decadência!
Aura Miguel, Renascença

2 comentários:

al cardoso disse...

E preferivel nao ter religiao nenhuma, do que ter uma religiao e nao a praticar e nao refiro a liturgia, refiro-me aos valores dessa religiao!

Um abraco monarquico deste catolico praticante.

Maria Menezes disse...

Obrigada pelo seu comentário. Bem haja! Infelizmente as pessoas estão cada vez mais afastadas de qualquer religião quanto mais a católica, o que é uma tristeza. A decadência é em geral... pobre gente e pobre país!
Um abraço monárquico!