quarta-feira, 16 de novembro de 2011

MONARQUIA

Somos monárquicos.
Estou convencido, ao contrário da maioria de nós, que a maioria dos Portugueses é monárquica, embora muitos o não saibam e outros o desmintam, por manifesto desconhecimento de causa.
E mesmo nós, aqueles que, alto e bom som, nos intitulamos monárquicos, mesmo nós, será que somos monárquicos da mesma maneira? Isto é, será que, ao falarmos de Monarquia, estamos todos a falar da mesma coisa?
Tenho a certeza absoluta de que não.
Para muitos, monárquicos e não monárquicos, a Monarquia é um regime de pompa e circunstância, de brasonadas cartolas e caleches, de vestidos compridos, luvas brancas, tiaras e anéis fosforescentes, donzelas adormecidas à espera que um príncipe lhes beije a mão, palácios e solares, salões de baile, mordomos, capa, espada e tiro ao javali; para outros é um regime de condes e viscondes, de brasões mais ou menos lustrosos, de títulos para cá e para lá e ritos de bajulação para os conseguir; para outros é o regime em que o rei é quem manda; por fim, para outros, tão erradamente como os demais, a Monarquia é o regime em que o cargo de Chefe de Estado é hereditário.
Vêem, portanto a justeza da minha pergunta: será que, ao falarmos de Monarquia, estamos todos a falar da mesma coisa?
Efectivamente, a Monarquia não tem nada a ver com as efabulações acima enunciadas. Não só não é nada disso, como é algo de muito mais vasto e intrínseco à essência da nação.
A Monarquia é um regime que estrutura a sociedade de cima a baixo, na sua completude e em cada uma das suas circunstâncias.
Refira-se que não estou a falar das demais Monarquias europeias, mas da nossa que, ainda que democrática, porque essa é a sina do mundo depois da Revolução Francesa, deverá chamar a si muitas instituições da antiga Monarquia Portuguesa.
Comparando a sociedade portuguesa actual com uma sociedade portuguesa dotada do regime monárquico que aqui se advoga, diremos que ela está a fazer o pino.
Se agora adoptasse a Monarquia, a sociedade portuguesa seria semelhante a uma pessoa com gripe, a quem se ministrasse um antibiótico. Assim como este percorreria o corpo do paciente e velaria pelo isolamento e exclusão dos organismos que lhe fossem nocivos, assim também a Monarquia percorreria todas as instituições da vida nacional, insuflando-lhes sentido de proficiência e noções de Bem Comum.
No meu livro A minha Concepção do Mundo explico pormenorizadamente como se deveriam estruturar os Órgãos de Soberania da Nação Portuguesa numa futura e verdadeira Monarquia Portuguesa.
Fonte: Lusa Grei 

3 comentários:

César-Augusto Canedo disse...

Caríssima Maria Menezes:

Em primeiro lugar, quero agradecer-lhe a citação que fez no seu blogue do meu artigo "Monarquia", publicado no meu blog "Lusa Grei", que muito me sensibilizou.
___________

Em segundo lugar, refiro-lhe que aprecio imenso o seu blogue, que o tenho por referência, dada a inteligência com que o gere, a sua cultura e a sua abnegação.
____________

Em terceiro lugar, gostaria de lhe dizer que tinha muito interesse em falar consigo, via e-mail, porque acredito que nos poderíamos complementar muito e tentar esforços de colaboração num projecto monárquico em grande.
O meu e-mail é o «cesaraugustocanedo@gmail.com». Fico a aguardar contacto.
_____________

Em quarto lugar queria transmitir-lhe que sou monárquico desde que me lembro de ser alguma coisa, sou licenciado em Direito, sou escritor, e escrevo imensos ensaios de Ciência Política, nomeadamente de doutrina monárquica.
______________

E quinto e último lugar, informo-a de que esta é a segunda vez que lhe deixo uma mensagem a pedir contacto - a primeira terá sido há um mês atrás - mas, ou porque não se apercebeu dela, ou por qualquer outra razão, a verdade é que ainda me não respondeu.
Esperando sinceramente ter desta vez notícias suas,apresento-lhe os meus cumprimentos.

Maria Menezes disse...

Caro César Augusto
Não tem nada que agradecer. Os bons artigos são para serem colocados em blogs de "honra" como o da Família Real Portuguesa.
Tinha muito gosto em colaborar consigo em projectos mas não tenho tempo. O blog dá-me muito que fazer mas de qualquer maneira tenho muito gosto em trocar emails consigo. Também tenho que ter tempo para me dedicar à minha família.
Não se ofenda se as minhas respostas demorarem algum tempo. Está no facebook? De vez em quando participo no grupo "Bandeira Azul e Branca", além da minha página pessoal que é actualizada com notícias também da Família Real.
Saudações Monárquicas!

César-Augusto Canedo disse...

Obrigado pela sua resposta, Maria.
Encontrar-me-á no Facebook com o nome César-Augusto Canedo.
Agradeço que me envie o seu e-mail, até por mensagem para a minha página do Facebook.