domingo, 5 de julho de 2009

DOM CARLOS E PRÍNCIPE DOM LUIZ FILIPE CONTAGIADOS PELA CAUSA DOS BOMBEIROS
O Rei Dom Carlos I e o Príncipe Dom Luiz Filipe, ambos vítimas do regicídio de 1 de Fevereiro de 1908, momento da História de Portugal que marca o princípio do fim da Monarquia, figuram na história dos Bombeiros Voluntários de Sesimbra (BVS) na qualidade de primeiros Presidentes de Honra e Comandantes Honorários.
Este facto é dado a conhecer no livro Bombeiros Voluntários de Sesimbra. Origem, Formação e Percurso (1903-2003), que destacamos como "Monografia do Mês", da autoria de António Reis Marques, editado pela Câmara Municipal de Sesimbra, por ocasião do centenário da instituição, no âmbito da colecção "Livros de Sesimbra".
A atribuição dos títulos honoríficos ficou a dever-se ao apoio concedido pela coroa à Fundação dos BVS, para o qual concorreu a influência do capitão de fragata D. Fernando de Serpa Pimentel, comandante do iate real "Amélia", Ajudante de Campo de Dom Carlos e amigo do Tenente Alfaro Cardoso, Comandante da Guarda Fiscal em Sesimbra, grande entusiasta da Comissão Organizadora da Associação de Bombeiros.
Por considerar a criação do serviço de incêndios como sendo "um grande melhoramento para Sesimbra", o Rei disponibilizou-se desde logo a atribuir a quantia de 300 mil réis destinados à aquisição de uma bomba tipo americana (ainda existente).
Também o Príncipe Dom Luiz Filipe decidiu apoiar monetariamente a compra de uma manga de salvação, concedendo para o efeito a verba de 50 mil réis.
Real Associação
Bomba tipo americana oferecida por Dom Carlos e capa dos Estatutos da Real Associação
(Clique na imagem para ampliar)
Sobre os termos da concessão, por parte do monarca, do título de Real à associação, em cujo processo teve intervenção D. Bernardo Pinheiro de Melo, 1.º Conde de Arnoso, secretário particular de Dom Carlos, figura identificada com o meio social local, o autor do livro cita o respectivo documento régio, despachado no Paço das Necessidades, a 18 de Fevereiro de 1904:
"Dom Carlos, por Graça de Deus Rei de Portugal e dos Algarves, etc.: Faço saber aos que esta minha carta virem, que atendendo ao que me representou a Associação dos Bombeiros Voluntários de Sesimbra, e querendo dar-lhe um público testemunho da minha real benevolência:
Hei por bem conceder-lhe o Titulo de Real, denominando-a d’ ora em diante "Real Associação dos Bombeiros Voluntários de Sesimbra".
Pelo que ordeno às autoridades e mais pessoas, a quem o conhecimento da mesma carta pertencer, que, indo assinada por mim, referendada pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Reino, a cumpram e guardem como n’ ela se contém, depois de autenticada com o selo das armas reais e da causa pública, e com a verba do registo nos livros das repartições competentes."

A Associação adoptou como bandeira a então bandeira nacional, azul e branca, passando o símbolo da Monarquia a ser também o dos bombeiros. Mais tarde, com o advento da república, foi adoptada a nova bandeira verde-rubra, situação que se mantém, pelo que a Associação "em qualquer acto, formatura ou desfile, em que se apresente, tem direito às honras e prerrogativas devidas à bandeira nacional", escreve António Reis Marques.
Aquando do assassinato de Dom Carlos e de Dom Luís Filipe, os BVS sofreram um rude golpe, pois "predominavam homens de convicções monárquicas".
Em face do trágico acontecimento que abalou a vida do país, a história regista a demissão dos comandantes, de dirigentes e bombeiros, bem como a inactividade da Associação e do seu corpo de bombeiros durante um longo período. Somente no ano de 1927, depois de uma tentativa infrutífera verificada em 1912, foram reunidas condições tendentes ao ressurgimento da instituição, iniciando-se um ciclo de vida normal.
Fonte: Blogue Fogo e História

1 comentário:

Nelson Macedo disse...

Boa Tarde,

Peço desculpa por utilizar esta forma e estar a incomodar.

Sou bombeiro em Sesimbra, Nelson Macedo e, como tal existe uma forte ligação entre a familia real e esta corporação, o interesse surge para auscultar vossas excelencias sobre possivel envio de fotografias referentes à nossa corporação, nomeadamente o grande simbolo o estandarte da monarquia com o nome desta corporação.

Estamos a tentar criar um pequeno filme com a historia desta corporação e seria otimo poder contar com documentos ou registos dessa época.

Agradeço desde já o tempo por vós disponibilizado.

Sem outro assunto de momento,

Meus respeitosos cumprimentos
Nelson Macedo