terça-feira, 31 de março de 2009

LIVRO D'OURO: PRIMEIRA VIAGEM DE S.M.EL-REI DOM MANUEL II A BRAGA
Autor: Prof. Doutora Maria Cândida Proença. Este Livro reproduz o capítulo bracarense de um álbum intitulado Livro d’Ouro da Primeira Viagem de S. M. El-Rei D. Manuel II ao Norte de Portugal, publicado em 1909. A obra uma “chronica photographica”, é uma exaustiva reportagem da visita que Dom Manuel II realizou ao Norte do país em 1908. Com edição e fotografias da autoria de Carlos Pereira Cardoso e comentários da jornada por Braga e Guimarães redigidos por Joaquim Leitão, cabe a António Azevedo a tarefa de falar sobre a passagem do Monarca por Barcelos. Para além dos três concelhos do distrito de Braga, a viagem também passou pelo Porto, Viana do Castelo, Coimbra, Leça da Palmeira, Santo Tirso, Vila da Feira, Vila Nova de Gaia e Aveiro.
Este livro é lançado hoje pela FNAC em Braga, às 18:30 horas.

segunda-feira, 30 de março de 2009

LANÇAMENTO DO LIVRO "CIDADÃOS PELO AMBIENTE" - 21-04-2009
(Clique na imagem para ampliar)

domingo, 29 de março de 2009

O NOVO MUSEU DOS COCHES DEIXA MUITA GENTE ZANGADA














(Clique nas imagens para ampliar)
Jornal "Público" de 29.03.2009



sábado, 28 de março de 2009

PORTO: A TRAGÉDIA DA PONTE DAS BARCAS, 200 ANOS DEPOIS
Da tragédia da ponte das barcas, que ocorreu no Porto a 29 de Março de 1809, ficou uma imagem especialmente marcante. É um quadro de autor desconhecido feito por alguém que, enquanto a população aterrorizada fugia às baionetas e aos canhões franceses, se deixou ficar, não se sabe como ou porquê, e pintou o que então acontecia: as tropas napoleónicas que abriam fogo no cais da Ribeira; homens, mulheres e crianças em fuga; os corpos que caíam às aguas. Nesse dia, mais de 4000 mil habitantes da cidade morreram quando a ponte, assente em barcas que ligavam ambas as margens do Douro, colapsou, provavelmente devido ao peso.
Este quadro foi colocado depois onde estivera a ponte, e tornou-se local de romaria popular. Aí eram deixadas velas e dinheiro pelas alminhas – as "Alminhas da Ponte”, agora assinaladas na Ribeira por uma placa evocativa de Teixeira Lopes que continua a ser local de devoção. Quanto ao quadro, pintado depois a óleo, ficou à guarda da capela das Almas (ou das Taipas), na Cordoaria, que passou também a assegurar a gestão do dinheiro deixado nas Alminhas. É uma das imagens escolhidas para a exposição sobre o Porto e as invasões francesas que vai ser inagurada, no Domingo, na Galeria do Palácio de Cristal. O desastre da ponte das barcas, de que se comemoram este Domingo 200 anos, marcou a história e a memória dos portuenses. Várias iniciativas assinalam a data. No Sábado é apresentado um concerto coral intitulado “Portugal”, da autoria do cónego Ferreira dos Santos, que recria a tragédia, e que conta com mais de 500 coralistas e duas orquestras. No Domingo, para além da exposição, é inaugurada uma obra escultórica de Souto Moura, que terá uma parte em Gaia e outra no Porto, perto do local onde se encontrava a antiga ponte. A ponte das barcas era um projecto de engenharia de Carlos Amarante. Era constituída por vinte barcaças ligadas por cabos de aço e, na altura, era a única que permitia atravessar o rio. Quando as tropas francesas do general Soult entraram na cidade, a população, em pânico, tentou a fuga para Gaia, mas a ponte não aguentou. Foi mais tarde refeita, mas só em 1843 foi inaugurada a nova ponte pênsil, que a substituiu. Pontes semelhantes – assentes em barcas – têm sido utilizadas ao longo da história, devido à sua rapidez de construção, muitas vezes para permitir a passagem de tropas. A do Porto foi a primeira ponte deste género construída em Portugal como solução a mais longo prazo, e podia ser aberta para permitir a passagem do tráfego fluvial. Carlos Amarante foi autor de outras obras célebres da região norte do país, como o Bom Jesus e a igreja do Pópulo, em Braga; a Igreja da Trindade, no Porto; e a reconstrução das muralhas de Valença.
Veja também: Invasões Francesas e Imagem do Arquivo Fotográfico de Lisboa: uma ponte de barcas sobre o rio Tejo, 1916
Galeria de imagens: as invasões francesas no Porto
Fonte: http://noticias.sapo.pt/info/artigo/986684.html

video

sexta-feira, 27 de março de 2009

"BATEM-NOS À PORTA" Revista "Maria" - 27.03.2009
(Clique na imagem para ampliar)
NÓS E A NOSSA HONRA

Nuno Pombo *
Como já alguém disse, antigamente o futuro era muito melhor. Não é apenas a agudeza de uma crise global que se agiganta, acicatada por interesses que seguramente dela hão-de extrair o melhor proveito, que nos interpela. Tempos difíceis, mesmo entre nós, já houve e sempre encontrámos as energias bastantes para nos erguermos colectivamente. Com o nosso engenho e a nossa arte, com o nosso improviso, reflexo afinal de uma proverbial impreparação, sempre fomos vencendo as dificuldades presentes para galoparmos, velozes, rumo aos obstáculos seguintes, em frente dos quais nos deteremos a pensar em nós, no que fomos e no que podíamos ter sido. Agora, o cenário e o diagnóstico não serão substancialmente diversos, mas temo que as conclusões de outrora se não imponham.
Portugal sempre foi um misto de glória e de escombros. Um país, que não deixando de estar em construção, apresenta sinais claros de decadência. Um Estado simultaneamente futurista e retrospectivo.
Hoje, Portugal quer caminhar mas esquece-se de fincar os pés no chão. O país já não navega. Nem sequer caminha. Salta. Vai pulando erraticamente ao sabor do que pensa serem os últimos gritos da modernidade. Em jeito de confissão do arcaísmo mais pungente, pontuamos a nossa agenda política com “boutades” de todo o jaez, mas sempre terceiro-mundistas. Querermos ser mais vanguardistas do que os pós-modernistas é bem o sinal do nosso atraso intelectual. Até escasseiam as elites. Rareia o escol, vítima de uma escola medíocre, palco de todos os experimentalismos que não inspirem a menor exigência. Que pais são estes que secundam o ócio estudantil dos seus pequenos diabretes e futuros desempregados? A situação é de tal ordem, que vai deixando de ser notícia o aluno que sova a “stôra”. Novidade, agora, haverá quando a aluna com a ajuda da sua progenitora (até “mãe” é já politicamente incorrecto), esmurrar o stôr. Que professores são estes que se deixam chamar “stôres”? Que professores são estes que invadem as ruas das cidades rugindo gritos de ordem de alcance pouco perceptível e alguns de educação pouco burilada? Que país é este que se deixa estrangular por camionistas? Que Estado é este que se entretém a castrar os princípios e os valores que fomos legando ao mundo, ao mundo cuja construção fomos dos principais obreiros? Desde quando começámos a achar que em vez de compormos, bom era dançarmos a música que outros tocam? Quando é que deixámos de acreditar que os Estados não podem, nem devem, ter honra?
Na verdade, o que os tempos mostram é já um país privado de coluna vertebral. Servil e acocorado. Refém de prioridades que não são, nem nunca foram, as nossas. Vítima de um internacionalismo pretensamente progressista, capaz de impor facilmente a sua vontade, perante a indiferença e inércia de quantos, e ainda haverá alguns, ainda pensam que não estamos condenados a isto a que nos querem diminuir. Enquanto uns choram o país que já não somos e o mundo que já não temos, outros desconfiarão que ainda podemos ser o Portugal que merecemos.
* Nota: o texto publicado é da exclusiva responsabilidade do autor.
Texto publicado no Diário Digital a 25-Mar-2009
q u i n t a - f e i r a . c o m http://www.monarquia.online.pt A MONARQUIA EM PORTUGUÊS NA INTERNET

quinta-feira, 26 de março de 2009

GENEALOGIAS DAS QUATRO ILHAS - FAIAL • PICO • FLORES • CORVO
Da autoria de Jorge Forjaz e António Ornelas Mendes – que em 2007 publicaram as suas Genealogias da Ilha Terceira, extensa obra em 9 volumes – vai a DisLivro Histórica dar em breve à estampa um aturado e paciente estudo de investigação sobre famílias das ilhas do Faial, Pico, Flores e Corvo.
Estas Genealogias apresentam-se em 4 volumes de mais de 3000 páginas, incluindo um índice onomástico que facilita ao utilizador a localização dos nomes que procuram e que constem do trabalho. O formato será de 18,5 x 26,5 cm, impressos em papel IOR com capa dura ilustrada com as quatro ilhas.

Dada a dimensão desta obra, a tiragem será limitada, numerada e rubricada pelos autores, podendo apenas a editora garantir exemplares aos Subscritores.

Junto enviamos, em anexo, o folheto publicitário e o cupão de subscrição que poderá imprimir, preencher e enviar para a editora.
Com os melhores cumprimentos,
Lourenço Correia de Matos - Dislivro Histórica
DisLivro - Rua Antonio Maria Cardoso, 27, 1200-026 LISBOA
(Clique nas imagens para ampliar)

quarta-feira, 25 de março de 2009

13º ANIVERSÁRIO DE S.A.R., O PRÍNCIPE DA BEIRA
S.A.R., Dom Afonso de Santa Maria de Herédia de Bragança, celebra hoje o seu 13º aniversário. Portugal no dia 25 de Março de 1996, com o nascimento de um Príncipe, amanheceu mais azul e branco porque nasceu a continuidade de Portugal! Chegou para representar o Ontem, o Hoje e o Amanhã! É o Filho primogénito e legítimo sucessor de S.A.R., O Senhor Duque de Bragança, Dom Duarte Pio. Desejo-Lhe toda a "felicidade do mundo", muita paz, alegria e saúde. Parabens pelo Seu dia! Feliz aniversário! E os meus sinceros parabens também a SS.AA.RR., Os Duques de Bragança.
QUE DEUS PROTEJA O NOSSO PRÍNCIPE!

terça-feira, 24 de março de 2009

FRAGILIDADE DO PAÍS É RESPONSABILIDADE DE VÁRIOS GOVERNOS (Clique na imagem para ampliar)
------------------------------------------------------------------
Jornal "O Diabo" de hoje, - Respostas aos reptos do PR - "As prioridades para sair da crise". Entre os entrevistados, António Vitorino d'Almeida, Bettencourt Picanço, Césasar das Neves, Dom Duarte de Bragança, Eurico Reis, João Dinis, Lima Coelho, Nobre Guedes e Paulo Rodrigues apontam soluções para o alerta dado pelo PR.

segunda-feira, 23 de março de 2009

A FAMÍLIA DINÁSTICA
Com a vinda a nós do Príncipe D. Afonso de Santa Maria, um inédito, resplendente e fixo clarão jubilosamente iluminou de confiante esperança quantos a aguardavam com fremente ansiedade e fé inabalável.
A multidão imensa, compacta, que no baptizado envolvia a Sé de Braga, estrondeante de entusiasmo, bradando "vivas", agitando bandeiras — flâmulas altas da Restauração — deram a imagem do sentir unânime e do querer do povo português. Digamos que, na ardência vibrante dos clamores, transparecia a vontade democrática dos portugueses.
Deixando para trás um espaço penoso de inquietação e de apreensiva expectativa, o nosso Príncipe veio dissipar as sombras dramáticas de dúvida e de incerteza que nos apoquentavam. Por enquanto no mínimo, eis que se completou a Família Real, sem a qual não teria todo o sentido o pensamento monárquico.
Li, algures num ilustre escritor (Augusto de Castro) que todavia não figura como monárquico, o eloquente comentário: — « O grande privilégio do princípio dinástico, essência da monarquia, é atribuir a uma família, na dignidade como nas grandes provas nacionais, a síntese e os atributos da suprema representação política que a História lhe confere.
A História e a fidelidade à sua missão.»
Em rigorosa verdade doutrinária o Rei é o chefe de Estado pela circunstancia de ser chefe da Família Dinástica. Isso o distancia do Presidente vitalício. Muito para além do Estado, existe a Nação com prerrogativas próprias, uma das quais é, necessariamente, a existência de uma chefia nacional. Não a pode exercer um Presidente, pela natureza partidária que a eleição incute.
Só pela sucessão dinástica se concebe o carácter nacional do poder. A diferença de representação entre o Rei e o Presidente está aí, cheia de consequências. Confronta-se entre o Presidente, indivíduo institucionalmente celibatário (pois que a sua família nada significa oficialmente) e a Dinastia cuja história é comum à Nação.
A distinção é evidente a qualquer mediana inteligência, como são visíveis as vantagens nacionais da Realeza. Mencioná-las seria desfiar um sem número de alegações, que perante a escabrosa e péssima política em que se afunda esta 3ª República, vão dia a dia adquirindo mais ingente importância. Num ponto, apenas, desejamos parar. Com um Presidente a República conta com um indivíduo apenas, improvisado em funções, partidário e sem significativos relacionamentos internacionais. Com a Dinastia, a República conta uma Família, toda ela especializada no ofício (Rei - Rainha, Príncipe, Infantes) e relacionados por laços de sangue com outras famílias reinantes. Num e noutro caso bem se vê que as possibilidades de servir a Pátria são incomparáveis. E todavia o superior préstimo da Família Real sai mais económico ao País.
De facto no continente europeu todas as Casas Reais se sustentam com votações orçamentais inferiores à votação atribuída à Presidência da República portuguesa.
No ponto de vista económico tenha-se ainda presente que as eleições periódicas à chefia do Estado tornam-se encargos muito pesados para o país que, por ser pobre, não pode dar-se ao luxo de gastar superfluamente em obediência a idealismos retrógrados.
Não seja esquecido que a regra da hereditariedade monárquica — digamo-lo sempre! — foi uma opção histórica em face dos prejuízos eleitoralistas verificados nas repúblicas primitivas. Da primeira fase de Presidências vitalícias, e dadas as perturbações, por vezes graves, da disputa à sucessão electiva passou-se à sucessão hereditária nas primeiras repúblicas.
A hereditariedade monárquica teve, assim, na origem republicana por emenda ao comprovado e nefasto erro dos repetidos actos eleitorais. Aliás a teoria votista de escolher entre todos os cidadãos "o melhor" é uma fantasia que já não ilude ninguém.
Concebe-se a eleição de "chefe" em nacionalidades em formação, ou em decadência. Não se concebe em nações antigas de uma forte expressão histórica, que cumpre respeitar. Está aí, clarividentemente, o lugar da Família Dinástica.

Mário Saraiva
(In Consciência Nacional, nº 190, 25º Ano, Jun/Jul 1996, pp. 1-2.)

domingo, 22 de março de 2009

O BEATO NUNO VAI CHAMAR-SE, - SÃO NUNO DE SANTA MARIA -
São cerca de cinco mil os portugueses que pretendem deslocar-se dia 26 de Abril a Roma para assistir à cerimónia de canonização do beato Nuno de Santa Maria.
O Padre Francisco Rodrigues, Vice-Postulador da Causa de Canonização, disse ao CM que "os grupos oficiais constituídos contam com mais de três mil pessoas" e alertou todos aqueles que estão a optar por não integrar o esquema oficial para os riscos que correm de não ter lugar na Praça de S. Pedro.
"São cinco canonizações e a organização é muito rigorosa. Quem quiser ir, deve observar as regras que estão na internet" em http://www.nunodesantamaria.org./ . As agências de viagens têm registado imensos pedidos de viagens para Roma, pelo que se supõe que haverá mais portugueses do que o previsto na cerimónia de canonização do décimo santo português.
Quem não confirmou ainda a presença foi o PR, apesar de ter manifestado vontade de se juntar a este "grande acontecimento nacional". Já Dom Duarte Pio, Duque de Bragança, tem lugar reservado "desde o primeiro dia".
O beato Nuno vai chamar-se São Nuno de Santa Maria. Pode ser venerado em todos os altares do Mundo e a festa litúrgica deve continuar a celebrar-se a 6 de Novembro.
PORMENORES
VIAGENS A 1500 EUROS
Várias agências de viagens estão a organizar programas específicos para a canonização do Beato Nuno. Em média, a viagem fica por 1500 euros.
CINCO CANINIZAÇÕES
Para além do Santo Condestável, serão canonizados quatro Beatos italianos: Caterina Volpicelli, Gertrude Comensoli, Bernardo Tolomei e Arcangelo Tadini.
CURA MILAGROSA
A cura milagrosa do Santo Condestável (Nuno Álvares Pereira) foi relatada por uma mulher de Ourém, que recuperou de forma inesperada de uma úlcera na córnea.
Fonte: Correio da Manhã de 22-03-2009
AS ARMAS DA CASA DE BRAGANÇA














































Autor deste trabalho: José J. X. Sobral
Blogue "Audaces" - http://audaces.blogs.sapo.pt/5587.html?view=1747#t1747
(Clique nas imagens para ampliar)

sábado, 21 de março de 2009

VÍDEO DO PRÍNCIPE REAL, DOM LUIZ FILIPE DE BRAGANÇA

Comemora-se hoje, dia 21 de Março, o nascimento do Príncipe Real Dom Luiz Filipe, a Esperança do Reino de Portugal! O Príncipe que queria ser Rei! Por conseguinte, estreou-se hoje um vídeo no youtube, em Sua homenagem.
Autor do vídeo - José Barreiros - http://www.youtube.com/watch?v=c_UsGvcaQgw&feature=channel_page
----------------------
D. Luís Filipe é uma figura "injustamente apagada" - Historiador Rui Ramos.
O Príncipe Herdeiro D. Luís Filipe, assassinado de pistola em punho, quando tentava defender o pai, o Rei D. Carlos, é uma figura "injustamente apagada. "É injusto que D. Luís Filipe fique apagado, pois é uma figura interessante e até trágica, Dona Amélia ainda insistiu que ele tivesse sido Rei de Portugal, pois morreu depois do pai, morreu aliás em pé em sua defesa. Aparentemente terá empunhado a pistola, não se agachou, nem fugiu. Não se intimidou". Rui Ramos afirma que "se fez um esforço muito grande para o tornar um príncipe exemplar, principalmente por parte da Dona Amélia, que se afasta do marido a partir da década de 1890 e coloca todas as esperanças no filho mais velho". "Dona Amélia adorava o filho e achava que ia ser o grande Rei para Portugal", sublinhou o investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. O Príncipe teve uma "educação muito exigente" que segue o modelo defendido pelo Príncipe Alberto, marido da Rainha Vitória, que propunha que o Rei fosse também um "cavalheiro ilustrado". "D. Pedro V representou entre nós, o melhor modelo desta educação Saxe-Coburgo-Gotha, introduzida pelo marido de Dona Maria II, D. Fernando, em que também foi instruído D. Carlos". Segundo o investigador, tudo leva a crer que D. Luís Filipe, nascido a 21 de Março de 1887, se tornasse "um Rei sério e grave". "Tudo o preparava para ser um Rei consciencioso e com sentido dos deveres de reinado que era uma coisa que tanto a tradição portuguesa como a Dona Amélia incutiam muito no Príncipe Real". "Era um rapaz muito bem-educado, simpático, calado, tendo deixado muito boa impressão nas colónias, na viagem que realizou em 1907", acrescenta. Luís Filipe Maria Carlos Amélio Fernando Victor Manuel António Lourenço Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis Bento de Bragança Saxe-Coburgo-Gotha, de seu nome completo, teve uma "educação esmerada" no Palácio tal como o pai. Após os primeiros estudos literários, a educação do Príncipe é entregue ao herói das guerras de África, Mouzinho de Albuquerque, nomeadamente o treino militar. D. Luís Filipe foi jurado príncipe herdeiro do trono em Julho de 1901 e a partir de 13 de Abril de 1906 passou a fazer parte do Conselho de Estado. O Príncipe exerceu a regência quando D. Carlos se ausentou em visita protocolar a Espanha, França e Inglaterra.
Lisboa, 27 Jan (Lusa)

sexta-feira, 20 de março de 2009

CONTESTAÇÃO - (DE COMO PORTUGAL TEM O DEVER DE DEFENDER
A SUA HONRA E A SUA HISTÓRIA)
Prefaciado pelo Dr. Mendo Castro Henriques, Professor de Filosofia Política na Universidade Católica Portuguesa, Presidente do Instituto da Democracia Portuguesa e Biógrafo oficial e membro do conselho privado de S. A. R. D. Duarte Pio de Bragança; e de João Gomes, editor de política, da Chiado Editora (a minha editora), este livro contesta o modo como a história de D. João VI foi apresentada pelo jornalista brasileiro Laurentino Gomes, no seu livro «1808 – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil», cuja narrativa amesquinha Portugal, a Monarquia Portuguesa e os Portugueses.
Esta minha CONTESTAÇÃO pretende repor o período da História contada no livro «1808», e que é altamente desprestigiante para Portugal e para os Portugueses, essencialmente para D. João VI, que apesar de não ter sido “talhado” para reinar, reinou o melhor que pôde, conservando a dinastia de Bragança e o império português, com dignidade, não se vergando ao grande e poderoso Napoleão Bonaparte, que subjugou praticamente todos os monarcas europeus da época. Tento integrar as circunstâncias dos acontecimentos históricos apresentados no «1808», no contexto da época; analiso, sem preconceitos, as acções e consequências dos actos assinalados; e realço as virtudes da alma grande portuguesa.
Para Laurentino Gomes, D. João VI era um rei covarde.
Para mim (e para muitos historiadores), um rei corajoso, que deixou uma obra notável no Brasil.
Ao ler-se o livro de Laurentino Gomes chega-se ao final com a ideia de que os Portugueses foram (e ainda são) Feios, Porcos, Maus e Ignorantes. Os factos que o Laurentino narrou, fora do seu contexto, soam a preconceito. Logo, defender a Honra e a História de Portugal foi um dever que se me impôs.
--------------------------------------------
Prefácio ao livro “Contestação”
Temos por certo que o estudo e a interpretação da nossa história, são duas tarefas fundamentais para a nossa definição enquanto povo e, mais do que isso, para a nossa afirmação actual enquanto país. Com identidade, o que é próprio de qualquer nação, mas acima de tudo com uma história riquíssima, do que nem todas se podem gabar.
Gabamos, no entanto, o trabalho de investigação de Laurentino Gomes que trouxe a público a importância da transferência da Corte para o Brasil, evento cujo Bicentenário comemoramos em 2008. Reconhecemos o Brasil como um país amigo e os brasileiros como um povo irmão onde João Ubaldo Ribeiro acaba de ganhar o Prémio Camões. E vemos na língua portuguesa a marca distintiva da Lusoesfera, passo evolutivo da Lusofonia, numa época em que Portugal pode ter influência para além dos países de língua portuguesa. Exemplo disso são as recentes aproximações à Comunidade de Países de Língua Portuguesa por parte de Galiza, Croácia, Venezuela, Ucrânia, Guiné Equatorial, Marrocos e Ilhas Maurícias, povos e Estados que a história aproximou de Portugal.
Como portugueses, temos um compromisso com a história, que nos leva a defender as aproximações à verdade e contestar os desvios da mesma. Por esse motivo, aceitámos prefaciar o livro da jornalista Isabel A. Ferreira. Assertivo e forte, patriótico e escrito com muita limpidez e, acima de tudo, um exemplo “de como Portugal tem o dever de defender a sua honra e a sua História”.
O livro de Laurentino Gomes é interessantíssimo do ponto de vista hermenêutico porque acumula quase todos os erros possíveis ao interpretar figuras históricas: falta de contextualização, acumulação de informação não tratada, confusão nos critérios de relevância, teoria explicativa deficiente, etc., etc. Sabemos hoje que D. João VI, ao contrário do que Laurentino Gomes nos afirma, não era um monarca cobarde, tendo sido um dos únicos príncipes europeus que não se vergou perante Napoleão Bonaparte. Poucos reis, durante a nossa história, foram tão perseguidos por motivos pessoais, como D. João VI. Quer pela loucura de sua mãe, quer pelo seu casamento infeliz e as conspirações de sua mulher e de fidalgos visando a sua abdicação. E contudo, poucos reis, na nossa história, foram tão consistentemente vencedores nos projectos a que se abalançaram, de mãos dadas com o seu povo e dirigentes. A sua permanência por treze anos no Brasil, permitiu-lhe ser o governante que garantiu a unidade do Estado, a que o Povo Brasileiro justamente acrescentou a independência.
Concluamos, pois, que a lenda negra que pairou sobre o monarca português que nos trouxe ao “Portugal Contemporâneo” é muito bem contestada neste livro, deixando à opinião dos leitores avaliar onde está a verdade. Por este motivo, elogiamos o trabalho de Isabel A. Ferreira. Que esta obra ajude a clarificar o legado de D. João VI, o monarca luso-brasileiro!
Mendo Henriques
João Gomes

quinta-feira, 19 de março de 2009

MUSEU DOS COCHES - ACÇÃO POPULAR PODE SER PRÓXIMA INICIATIVA Jornal Notícias de 19-03-2009
(Clique na imagem para ampliar)
A DIFERENÇA DE SER RAINHA
Anda o país inteiro embasbacado com a rainha Rania da Jordânia. A sua beleza e à vontade perante qualquer situação em que seja chamada ao contacto directo com o público, atraem os olhares e sobretudo, a curiosidade pelo trabalho que tem desenvolvido no âmbito social. Não se trata de alguém apenas preocupada com questões de imagem, onde a marca e o lançamento de novas tendências para penteados lhe seriam por si, garantia de visibilidade. Não é uma Carla Bruni ou uma aspirante a manequim de lusa identidade, nem sequer uma ambiciosa do poder pelo poder, como algumas que almejam em suceder aos próprios maridos no exercício de funções oficiais.
A rainha é muito mais que um simples fait-divers social. Esquecida ou atenuada a memória da nossa nação, relativamente ao importantíssimo papel reservado às soberanas consortes que ao longo de séculos reinaram em Portugal, todos concluem agora a importância que o ostentar de uma coroa significa para o derrubar de preconceitos, alertar consciências e formação das mentalidades. O exemplo ainda recente da rainha D. Amélia, consistiu naquele derradeiro exemplo que no nosso país, serviu como verdadeiro substituto de funções hoje obrigatórias para os departamentos do Estado. Combate contra a pobreza e exclusão, apoio à infância, instalação dos grandes institutos científicos que modernizaram a sociedade, a protecção ao património cultural e não menos importante, a maior visibilidade do papel desempenhado pelas mulheres no todo nacional, eis o secular programa daquelas que um dia se sentaram no trono português. De Isabel de Aragão a Amélia de Orleães, muitas foram as mulheres que contribuíram decisivamente para o progresso. É de elementar verdade histórica sublinhar o decisivo contributo prestado à própria causa da independência nacional, administrando a regência com sageza e total probidade, fazendo exercer sempre que necessária, a régia autoridade que manteve a hierarquia, disciplina e vontade mobilizadora da população. O sentido do dever para com os seus - o povo que somos -, é parte inseparável da condição da soberana. Muitas vezes discretas ou praticamente incógnitas, acorreram aos necessitados, demoveram as reticências de políticos, arrecadaram fundos, galvanizaram as consciências, tornaram Portugal um país mais visível e respeitado na Europa. Tal como Rania, cumpriram escrupulosamente os trabalhos que a sua condição lhes impunha. De forma natural, sem alarde ou vertigens de protagonismo serôdio.
Arrisco mesmo a afirmar que existe hoje em Portugal, quem continue de forma quase invisível mas decisiva, a tarefa de sempre e assim aproveito para aqui manifestar o respeito pelo precioso trabalho social hoje incansavelmente desenvolvido pela Duquesa de Bragança. Não sendo nada susceptível a mesuras cortesãs, creio ser esta pequena lembrança, uma questão de justiça.
Portugal perdeu a memória. Rania está entre nós e por uns momentos, a sua visibilidade fez toda a diferença.
Texto de: Nuno Castelo Branco - 17.03.2008 - Blogue Estado Sentido http://estadosentido.blogs.sapo.pt/tag/isabel+de+bragan%C3%A7a

quarta-feira, 18 de março de 2009

SER JOVEM MONÁRQUICO EM LISBOA Entrevista ao Presidente da Juventude Monárquica da Real Associação de Lisboa
Joel Moedas-Miguel foi entrevistado por Joana Domingues do Jornal "Portal Lisboa" de Março.

Qual têm sido os principais vectores durante a sua presidência da Juventude Real de Lisboa?

A direcção da Juventude Monárquica da Real de Lisboa, à qual eu presido, tem procurado desenvolver a sua acção em dois vectores essenciais: consolidar, a nível interno, uma militância mais activa e esclarecida, nomeadmente com a realização de jantares-debate mensais, palestras e acções de rua, como no 1 de Dezembro, 5 de Outubro, 1 de Fevereiro (Regicídio). Externamente temos levado o ideal monárquico aos meios escolares e universitários, utilizando novas linguagens, que possibilitem o contacto com grupos e pessoas que normalmente não se interessam por politica ou têm algum tipo de pre-conceito em relação à Monarquia. A nossa participação no Infoforúm e em debates em escolas e universidades têm sido exemplo disso.

Os jovens estão sensibilizados para a Causa Monárquica?
Apesar de ser uma causa que é posta ao lado do debate político nacional, e da qual há muita desinformação e deturpação dos verdadeiros ideais que preconizamos, é interessante ver que, quer através das acções exteriores que realizamos, quer através do nosso sitio na Internet, somos cada vez mais procurados. A política partidária e o sistema republicano não respondem nem correspondem às ansiedades da juventude portuguesa do séc. XXI.
Considera que no século XXI a Monarquia continua a fazer sentido?
Mais do que nunca a Monarquia faz sentido no século XXI, numa época de globalização, e diluição das nações, e de ataque a princípios naturais do ser humano. A Monarquia representa, e actua em função disso, uma série de valores que estão a ser destruídos nas últimas décadas. Os portugueses sentem a falta de uma pessoa, e de uma família, que de facto os represente, que represente o país mais antigo da Europa. Não querem ver a sua chefia de estado a ser disputada pela partidocracia. querem união , não divisão, querem um arbitro isento numa democracia responsável e responsabilizada. A Monarquia humaniza e moraliza a politica. Os seus representantes são formados, desde que nascem, para servir o país, e não para se servirem dele. Há uma cultura, de um maior sentido de comunidade, honestidade e responsabilidade, associada à Instituição Real. Ela tem o dever de garantir não só a independência de Portugal como o bom funcionamento das instituições e a defesa da identidade nacional. É o futuro para Portugal!
Está Portugal preparado para uma nova Monarquia? E estará a> Monarquia preparada para o Portugal de hoje?
Portugal só estará preparado para uma Monarquia quando a sua população souber o que, de facto, é a Monarquia e quão ela é importante para o país. Para tal é necessário que a actual estrutura politica esteja disposta a aceitar esse debate. A república nunca foi referendada, foi imposta pelas armas depois de um regicídio. A Monarquia, e a Casa Real que a representa, chefiada pelo Senhor Dom Duarte de Bragança e sua família, estão totalmente preparada e disposta a servir o país. Como exemplo, basta reparar na sua excelente relação com as outras casas reais europeias.
Fonte: Jornal "Portal Lisboa" - http://www.portallisboa.net/

terça-feira, 17 de março de 2009

S.A.R., A DUQUESA DE BRAGANÇA E A VENCEDORA PORTUGUESA DO TROFÉU REI DOM CARLOS I, NA HERDADE DA COMPORTA - ATLANTIC TOUR (Clique na imagem para ampliar)
NÃO É SAUDÁVEL PARA A DEMOCRACIA DEIXAR O MONOPÓLIO DA REPRESENTAÇÃO POLÍTICA A UMA ESPÉCIE DE "CLUBES FECHADOS" Jornal "O Diabo" de 17-03-2009
(Clique nas imagens para ampliar)
LIVRO "O ÚLTIMO NAVEGADOR"
Sinopse - Um novo Portugal onde, depois de uma guerra civil sangrenta que vitimou milhares de portugueses, nasce uma monarquia moderna. Um país de prosperidade e crescimento, onde não há atrasos nas consultas médicas, onde a Justiça funciona, uma nação com uma nova e fascinante capital chamada Lusitânia, situada entre a Beira Baixa e o Ribatejo. É este o país de Benjamim, o último navegador. Benjamim é um homem amargurado e sem esperança. Sofreu toda a vida pelo amor de Mariana, assistiu impotente ao suicídio do seu irmão e foi acusado de um crime que não cometeu. É em Rosa, uma jovem psiquiatra, que procura um porto de abrigo para contar a sua terrível história. Rosa, a viver uma crise conjugal, vê o seu mundo virado do avesso. Este homem provoca-lhe sentimentos estranhos, fá-la duvidar da sua ciência e da razão. Leva-a a conhecer novos mundos.
Em declarações à agência Lusa, Virgílio Castelo afirmou que ‘desde a adolescência tinha vontade de escrever sobre Portugal’. Numa viagem a Goa surgiu-lhe ‘a estrutura do romance’. ‘Ainda antes de ser actor tinha a vontade de falar de Portugal, mas não sabia como. Era uma ideia que me perseguia e, em 2000, quando estava em Goa, a estrutura do romance surgiu-me claramente. Eu percebi como podia falar de Portugal que era uma coisa que queria desde os meus 17, 18 anos’, referiu o actor.
(...)‘A minha convicção é que Portugal está à deriva desde que morreu D. João II [1482]. Isto é o que eu penso politicamente. D. Manuel I foi um grande Rei mas aproveitou aquilo que foi plantado por D. João II e desde essa altura que não temos um desígnio nacional. Temos andado a perder a identidade’, complementou Virgílio Castelo.
Fonte: http://avidaeumpalco.com/?p=1290
Entrevista com Virgílio Castelo: http://www.videos.iol.pt/consola.php?projecto=257&mul_id=12321880&tipo_conteudo=1&tipo=2&referer=1
----------------
«A mim o que me parece é que a maneira de resolver a restauração da monarquia, passaria por duas questões. A primeira seria aproveitar o centenário da república no próximo ano, para a república mostrar finalmente a sua apregoada generosidade e fazer finalmente o referendo que é devido. Ou seja, deveria haver um referendo porque era uma maneira bonita da república demonstrar a sua legitimidade de cem anos - saber até que ponto o povo português quer a república - eu tenho a maior das dúvidas que queira. Não sou capaz de explicar isso de um modo científico, mas estou convencido que no dia em que for posta essa questão haverá muitas surpresas.»
(15 de Março de 2009)
Ler excerto da entrevista concedida pelo actor Virgílio Castelo ao jornal PORTAL LISBOA aqui: http://www.somosportugueses.com/modules/news/article.php?storyid=1625

segunda-feira, 16 de março de 2009

SUAS MAJESTADES, OS REIS DA JORDÂNIA ESTÃO EM PORTUGAL
Rei Abdullah da Jordânia vê em Portugal um aliado para o Médio Oriente
16.03.2009 - 13h56 - Maria Lopes
A Jordânia e Portugal vão cooperar diplomaticamente para que nos próximos meses se possa chegar a um acordo de paz entre Israel e a Palestina. Segundo as declarações do rei Abdullah II da Jordânia no final da reunião em Belém, ao final da manhã, os dois países querem “levar israelitas e palestinianos a negociar o mais depressa possível”. Para Portugal, a Jordânia é um “país que desempenha um papel central no Médio Oriente; é um exemplo de estabilidade, solidez e segurança”, realçou o PR. Por seu lado, Abdullah II conta com Portugal como porta aberta para o apoio diplomático junto da União Europeia para a questão da conciliação na Palestina. No campo económico, o Rei afirmou que já foram identificados os sectores de afinidade entre os dois países – energia, turismo e defesa –, pelo que a “comitiva grande de empresários” que o acompanha irá multiplicar-se em acordos de cooperação entre hoje e amanhã. Esta tarde, os reis da Jordânia visitaram o Parlamento. O rei Abdullah II encontra-se com o presidente da AR e com representantes dos partidos com assento parlamentar e a Rainha Raina recebe o Prémio do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa, pelo seu trabalho em prol dos direitos das mulheres no Médio Oriente.
---------------------------------------
A Rainha Raina foi considerada a terceira mulher mais bonita do mundo, no top 100 de 2005, e situa-se em 81º lugar na lista das 100 mais poderosas do planeta.
As preocupações da Rainha são a reforma da educação na Jordânia, com a criação de melhores condições nas escolas e com a introdução do ensino obrigatório de inglês.
De Março a Agosto de 2008, criou um canal no YouTube para responder a perguntas de internautas de todo o mundo sobre o Islão e o mundo árabe. Com as suas respostas, pretende explicar a verdade sobre vários estereótipos sobre o Islão e os muçulmanos.
Fonte: http://diario.iol.pt/moda-e-social/raina-rainha-jordania-portugal-activista/1049997-4061.html
-----------------------
Abdullah II bin al-Hussein (árabe: عبدالله الثاني بن الحسين) (Amã, 30 de janeiro de 1962), é o atual rei da Jordânia. Ele governa desde a morte de seu pai, rei Hussein em 7 de fevereiro de 1999.
Atualmente o rei Abdullah II tem uma política pró-ocidental, o que tem trazido alguns investimentos estrangeiros ao país, apesar deste não ter
petróleo, é a favor da paz com Israel e desde o tratado que os dois países assinaram em 1994 têm ocorrido poucos conflitos na fronteira entre os dois países. Grande parte da população de seu país é descendente de palestinos incluindo sua mulher a rainha Rania da Jordânia. Estudou no Reino Unido.
No dia 10 de Junho de
1993 casou com Rania Al-Yasin, mãe dos seus quatro filhos: Príncipe Hussein (28 de Junho de 1994), Princesa Iman (27 de Setembro de 1996), Princesa Salma (26 de Setembro de 2000) e o Príncipe Hashem (30 de Janeiro de 2005).
--------------------
Rania al-Yasin (nome enquanto solteira) nasceu no seio de uma família palestiniana oriunda da localidade de Tulkarm na Cisjordânia, que se mudou para o Kuwait à procura de melhores condições de vida. Recebeu uma educação ao estilo ocidental no Kuwait, tendo se formado em administração de empresas pela American University do Cairo em 1991, então o grau de um DEA da Universidade HEC de Genebra na Suíça.
Devido à invasão do Kuwait pelo
Iraque de Saddam Hussein em 1990, Rania e a sua família mudam-se para a Jordânia, onde começou por trabalhar num banco; de seguida, Rania trabalhou na empresa Apple Computer. Em 1993 durante um jantar conheceu o Príncipe Abdullah II bin al-Hussein, filho do Rei Hussein, com o qual casou no dia 10 de Junho do mesmo ano.
Duas semanas antes de falecer, o Rei Hussein da Jordânia decidiu destituir o seu irmão Hassan ibn Tallal do título de herdeiro, transferindo a dignidade para o seu filho Abdullah. No dia
9 de Fevereiro de 1999 Abdullah foi coroado como Rei da Jordânia e Rania como Rainha.
Rania tem quatro filhos: Hussein (nascido em
1994), Iman (nascida em 1996), Salma (nascida em 2000) e Hashem (nascido em 2005).
Tem desenvolvido um trabalho junto de crianças e mulheres pobres da Jordânia, através de instituições como a River Jordan Foundation e a Dar al-Aman.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rania_da_Jord%C3%A2nia
CONCENTRAÇÃO NACIONAL - SALVEM O MUSEU DOS COCHES!
Vem a Direcção do IDP instar que estejam presentes na Manifestação do dia 18 - abaixo indicada - promovida em Lisboa pela Plataforma pelo Património Cultura (PP-Cult) e o Fórum Cidadania Lisboa contra a deslocalização do Museu dos Coches, o mais visitado museu português, sem sequer ter propaganda. Este plano de deslocalização integra-se num modelo de desperdício dos dinheiros públicos que o IDP tem vindo a denunciar. Esses dinheiros - no caso vertente os 31.5 milhões de euros provenientes das receitas do Casino de Lisboa - encontrariam melhor aplicação na recuperação de outros museus nacionais, como o de Arqueologia, de Arte Antiga, do Azulejo e da Música, todos com graves carências.
Em vez disso, vemos planos que visam satisfazer clientelas privadas eque são criticados por especialistas e decididos sem respeito pela opinião pública.
A Direcção do IDP
Lisboa, 14 de Março de 2009
----------------------
Todos à Concentração Nacional dia 18 pelas 18:00 na Avenida da Índia, junto à Praça Afonso de Albuquerque/** em defesa do nosso Património! Há outras prioridades para os 31,5 milhões do jogo do Casino Lisboa!* *Por outro lado a **Arqueologia** que parece ser a mal-amada deste Governo, Museu e Serviços Arqueológicos (ex-IPA) estão no centro de mudanças que bradam aos céus, designadamente a actual peregrina ideia de ser tudo instalado na Cordoaria Nacional!**Monumento**único que vale pelo que é, albergando apenas exposições temporárias, e não ser um espaço de tabiques, laboratórios e museu permamente que retira toda a leitura da sua função e característica arquitectónica única! Temos que dizer de nossa lavra e demosntrar que há outras alternativas que não condenem o nosso Património e antes o defendam e dignifiquem!*

HÁ QUE UNIR! IR À CONCENTRAÇÃO NACIONAL E ASSINAR A PETIÇÃO ONLINE! JÁ!
Instituto da Democracia Portuguesa
Av. Elias Garcia, nº10 - 1º Esq.
1000-149 Lisboa
PORTUGAL

domingo, 15 de março de 2009

FOTOS - JANTAR DE BENEFICÊNCIA APÓS O LANÇAMENTO DO LIVRO DE S.A.R., A PRINCESA MICHAEL OF KENT - VISEU
No fim do jantar cantou-se fado de Coimbra interpretado pelo grupo Alma de Coimbra -http://almadecoimbra.googlepages.com/

Fotos de: José Filipe Sepúlveda
(Clique nas fotos para ampliar)
INICIATIVA APADRINHADA POR SS.AA.RR., OS DUQUES DE BRAGANÇA
À semelhança da edição de 2008, a Herdade da Comporta volta a ser palco do “Prémio D. Carlos I”, uma iniciativa apadrinhada pelos Duques de Bragança, que se realiza a 15 de Março com as presenças de Dom Duarte Pio e Dona Isabel de Bragança.
A Atlantic Tour, uma das mais prestigiadas provas de hipismo internacional, volta à Herdade da Comporta de 23 de Fevereiro a 22 de Março. Para a 3.ª edição da prova foi montada uma cidade equestre com uma área equivalente a dez campos de futebol, proporcionando condições excepcionais aos cerca de 650 cavalos em competição.

A Herdade da Comporta recebe no próximo domingo, dia 15 de Março, o "Troféu D. Carlos I", uma prova apadrinhada pelos Duques de Bragança que integra o programa do Circuito Atlantic Tour pelo segundo ano consecutivo.
A escolha do rei D. Carlos para patrono deste troféu pretende homenagear o Monarca, enquanto grande desportista e cavaleiro, e destacar a ligação que os Duques de Bragança desde sempre tiveram com o desporto equestre.
O Atlantic Tour, arrancou a 23 de Fevereiro e junta em competição mais de 650 cavalos durante 30 dias. Oitos das provas contam para o Ranking Mundial.
Este fim-de-semana decorre ainda o CSIJ-B, que dá acesso aos Campeonatos da Europa de Juniores e Jovens Cavaleiros.
Fonte: http://www.equitacao.com/singleNews.do?id=6836

sábado, 14 de março de 2009

SALVEM O MUSEU DOS COCHES!
Comunicado de Imprensa
CONTRA O VANDALISMO DE ESTADO
Basta de Trapalhadas: Quem quer o novo Museu dos Coches?

Reunidos em 9 de Março de 2009, o Secretariado Permanente da Plataforma Pelo Património Cultural (PP-CULT), o Fórum Cidadania LX e os promotores e primeiros subscritores da petição “Salvem os Museus dos Coches e de Arqueologia e a Cordoaria nacional”, tomando conhecimento da tentativa actualmente em curso de dar início ao processo de demolição de algumas das áreas onde se pretende vir a edificar um novo Museu Nacional dos Coches, sem para o efeito estarem sequer reunidas as condições de mínimas de segurança respeitadores de pessoas, arquivos, colecções e equipamentos aí instalados, entendem tomar a seguintes medidas:
1. Denunciar veementemente a gravidade da acção assim empreendida, responsabilizando desde já, cível e criminalmente, todos os seus autores pelos eventuais danos pessoais e patrimoniais que daí possam advir;
2. Exigir a imediata suspensão dessas acções, por limitadas que sejam, pelo menos até que esteja garantida e concretizada em condições dignas a transferência para outras instalações de todos os arquivos, colecções e equipamentos do Ministério da Cultura actualmente localizados naquele espaço, os quais constituem um acervo patrimonial único e de extrema importância pública, preenchendo funções essenciais em domínios tais como a monitorização e a fiscalização de trabalhos arqueológicos ou o acompanhamento de estudos de impacte ambiental, casos em que qualquer diminuição de operacionalidade do Estado não apenas terá consequência potencialmente dramáticas para o património nacional, como implicará as consequentes queixas e penalidades impostas pela legislação europeia;
3. Solicitar a intervenção das competentes autoridades fiscalizadoras e inspectivas das condições de higiene e segurança no trabalho, em ordem a serem certificadas os requisitos que a lei impõe nestes domínios, garantindo os direitos de todo o pessoal do Ministério da Cultura instalado naquele espaço;
4. Reafirmar a convicção absoluta, unanimemente partilhada por todos os especialistas e meros observadores das questões patrimoniais, de que a construção de um novo Museu dos Coches não constitui de modo nenhum prioridade da política museológica nacional, possuindo mesmo um efeito devastador pelo encadeamento de consequências em monumentos e museus adjacentes. Com efeito, sendo já de si inaceitável o desperdício de verbas tão elevadas na construção de um novo museu que ninguém quer, salvo talvez os seus promotores e directos beneficiários financeiros na área da Economia, a circunstância de tal projecto poder vir a ter efeitos altamente perversos na Cordoaria Nacional, classificada ela própria como monumento nacional, e no Museu Nacional de Arqueologia, que remotamente se admite transferir para esse local, conferem a toda esta operação uma dimensão de dominó arrasador, assimilável a uma verdadeira acção de vandalismo de Estado.
5. Nestes termos e tendo em conta os dados e considerandos anteriores, entendemos lançar um apelo urgente a todos os cidadãos de boa vontade para que se mobilizem mais uma vez, no dealbar do século XXI, debaixo das mesmas consignas que já Herculano lançava na primeira metade do século XIX, ou seja, contra a política do camartelo, contra os "Hunos modernos", à solta num país que não obstante a mudança do tempo e dos regimes continua a estar "desamparado de Deus e da Arte";
6. Em concreto, decidimos tomar as seguintes iniciativas:

a) Constituir uma delegação para, no dia 11 de Março, pelas 15 horas, proceder à entrega na residência oficial (Rua da Imprensa à Estrela, 4) de uma carta dirigida ao Primeiro-Ministro, aproveitando a ocasião para prestar aos órgãos de comunicação presentes as declarações que a situação exija;
b) Convocar uma Concentração pública de Protesto, a ter lugar no dia 18 de Março, pelas 18,00 horas, junto às instalações onde se pretende vir a construir o novo Museu dos Coches (Avenida da Índia, nº 136) concentração esta subordinada às seguintes consignas:

CONTRA O VANDALISMO DE ESTADO
BASTA DE TRAPALHADAS:
Quem quer o novo Museu dos Coches?
BASTA DE ESBANJAMENTO: Se não sabem gastar dinheiro, perguntem
BASTA DE INCOMPETÊNCIA: Já não temos paciência

c) Prestar apoio aos trabalhadores do Ministério da Cultura que permanecem das instalações onde se pretendem começar as obras de demolição preparatórias do novo Museu dos Coches, afirmando a nossa solidariedade activa em relação a todas as acções de resistência cívica que entendam desencadear.
Da presente tomada de posição será dado conhecimento ao Presidente da República, Primeiro-Ministro, Grupos Parlamentares, Ministros das Cultura e da Economia.

Lisboa, em 9 de Março de 2009.
O Secretariado Permanente da Plataforma pelo Património Cultural
O Fórum Cidadania LX
Os promotores da petição “Salvem os Museus dos Coches e de Arqueologia e a Cordoaria Nacional”

Notícia enviada pela Casa Real

--------------------------------

Novo Museu dos Coches dá azo a manifestação: http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/502332

CRÍTICAS AO GOVERNO DE S.A.R., DOM DUARTE - "RTP/ANTENA 1"
D. Duarte criticou o governo português pelas medidas que tem tomado para enfrentar a crise económica.
D. Duarte de Bragança participou no primeiro congresso Marquês de Sá da Bandeira. Neste evento, o membro da Família Real acusou os políticos de fomentarem a perda de confiança nas instituições e de embarcarem em obras "faraónicas", referindo-se à construção de barragens e aeroportos. Em jeito de conclusão D. Duarte mostrou-se disponível para fazer parte da solução para a crise económica. A jornalista Raquel Morão Lopes traz-nos as principais declarações de S.A.R., Dom Duarte de Bragança.
2009-03-04 09:16:39
Fonte: http://tv1.rtp.pt/noticias/?headline=46&visual=9&tm=8&t=D-Duarte-criticou-o-governo-portugues-pelas-medidas-que-tem-tomado-para-enfrentar-a-crise-economica.rtp&article=206159
E VIVA O REI!