segunda-feira, 28 de julho de 2008

1º MASTER DE VERÃO EM POLÍTICA - IDP
Teve lugar um curso livre de política no IDP - Instituto da Democracia Portuguesa, nos dias 25, 26 e 27 de Julho de 2008 no Centro de Formação Profissional de Pescas e Mar, em Pedrouços - Lisboa (situado entre a Docapesca e o restaurante Vela Latina, em frente à passagem para peões do CF Estoril), durante 16 horas lectivas e 12 horas de debate e confraternização, num total de 28 horas. Director Científico: Mendo Castro Henriques e Director do Curso: João Gomes.

No dia 27, às 13h30 houve um almoço para além do encerramento do curso e em homenagem ao Arquitecto Gonçalo Ribeiro Teles que discursou sobre os problemas actuais do país.
Este 1º Master em Política, obteve larga participação com debates das camadas mais jovens partidárias e da Juventude Monárquica da Real Associação de Lisboa, onde imperou o interesse pelo futuro próximo do país numa conjuntura cada vez menos favorável.
S.A.R., O Senhor Dom Duarte, Presidente Honorário do IDP esteve presente no almoço solene de homenagem ao Arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles onde procedeu à entrega dos Certificados do Curso de Politica, realçando no seu discurso, uma especial referência à reacção da UE ao resultado do referendo ao Tratado de Lisboa e a ausência de debate sobre os porquês do "Não" irlandês, em deterimento de um imperativo cada vez menos democrático.

Fonte: http://idp.somosportugueses.com/site/

video

Dom Duarte de Bragança aplaude Master como meio de trazer Juventude ao Debate Político - Excerto do discurso de encerramento do I Master de Verão IDP em Política (25-27 Julho 2008).http://idp.somosportugueses.com/site/ - http://br.youtube.com/watch?v=qnzsp1eFcE4

sexta-feira, 25 de julho de 2008

FOI HÁ 900 ANOS QUE O 1º REI DE PORTUGAL NASCEU
El-Rei Dom Afonso Henriques nasceu no dia 25 de Julho de 1108, segundo a tradição, ou seja, há precisamente 900 anos! 25 de Julho é o dia litúrgico em que se comemora São Tiago Maior, “patrono na reconquista”, cuja devoção, a partir da Galiza, marcou a conquista cristã da Península e a formação do Reino de Portugal. O nascimento de Dom Afonso é indissociável do de Portugal. Sem a vontade expressa deste Rei, motivada pela sua Fé, nunca teria existido Portugal, tal como nós hoje o conhecemos. Pensando no Fundador de Portugal, pensa-se naturalmente na fundação de Portugal, no seu passado, no seu presente e qual será o seu futuro. De facto a História de Portugal está marcada por um série de acontecimentos que foram marcando um caminho, um destino ao nosso país. A memória colectiva ficou indelevelmente marcada pela efeméride dos “Descobrimentos”. A partir desse período, que constituiu o apogeu de Portugal, desde a cultura à economia passando pela afirmação religiosa e politica, a fasquia ficou muito elevada. A herança deixada parece ter-se tornado não um bem mas antes um mal a suportar, um peso-morto constrangedor e castrador do nosso futuro. Mais nenhum período da história nacional conseguiu alcançar o mesmo nível, realizar os mesmos feitos, atingir os mesmos fins. No fundo é o “falta cumprir-se Portugal” de Mensagem, de Fernando Pessoa, que continua a dominar o subconsciente colectivo. É o “Quinto Império” profetizado pelo Padre António Vieira que deve ser construído e ainda não foi. É El-Rei Dom Sebastião que está para chegar e não chega… A glória do passado obriga a uma glória do presente e do futuro, que parece nunca mais se alcançar e que por essa razão nos faz passar de um “determinismo religioso” para um fatalismo do “não voltar a conseguir”. Construiu-se uma desesperança no futuro com base em falhas sucessivas no passado a pós Alcácer-Quibir, e que se repetem no presente. Contudo o nosso destino nunca foi algo predeterminado de forma irremediável, talvez por uma entidade superior ou pelo peso do passado, mas esteve sempre nas nossas mãos a sua construção, à força da nossa vontade, esta orientada para um fim, e animada por uma referência. A vontade é resultado da conjugação da razão e do pensamento com a liberdade que leva à acção. A vontade é fazer o que se quer, racionalmente, e não o que apetece, emocionalmente. Como refere o Papa Bento XVI, “ a liberdade do ser humano é sempre nova e deve sempre de novo tomar as suas decisões. Nunca podem ser tomadas por outro em nosso nome – neste caso, de facto, deixaríamos de ser livres. A liberdade pressupõe que, nas decisões fundamentais, cada pessoa, cada geração seja um novo inicio”. Na verdade cada geração deve ter a liberdade de decidir o seu presente e apesar de carregar consigo um passado, este deve ser condutor, impulsionador, e não castrador. De facto, na História de Portugal, vemos que as grandes realizações, desde a Fundação à Restauração, passando pela Expansão, foram acções pensadas destinadas a um fim, tomadas livremente pela geração de então. Talvez o que nos falta hoje é esta conjugação do pensamento à acção com vista a um fim. Ou talvez o fim que nos norteou sempre não seja o mesmo que nos norteia hoje. O Rei, a Monarquia, foi quem ao longo da nossa história sempre O Rei, a Monarquia, foi quem ao longo da nossa história sempre soube interpretar, da melhor forma, essa vontade de todo um povo. O Rei foi quem tomou a dianteira, foi a referência, no trilhar de uma caminho com vista à felicidade do seu Povo. Portugal encontra-se alienado, confuso, indeterminado. Cabe a esta geração demonstrar a sua vontade, escolher o caminho que marca a nossa identidade e dá sentido à existência de Portugal, cabe a esta geração dizer que Portugal sem Rei não é Portugal, porque sem Rei não se cumpre Portugal!
VIVA EL-REI DOM AFONSO HENRIQUES!

(Clique nas imagens para ampliar)
Digitalizações do livro "A Monarquia Portuguesa"

terça-feira, 22 de julho de 2008

VISITA REAL AO ESTADO DE MINAS GERAIS - BRASIL
Entrega de medalhas marca Dia de Minas em Mariana
No dia 16 de Julho de 2008, o Governador Aécio Neves participou, às 11h, na cerimónia oficial do Dia do Estado de Minas Gerais. Neste dia, a capital de Minas Gerais foi transferida para Mariana, primeira cidade e primeira capital mineira. Durante o evento, que acontece na Praça Minas Gerais, realizou-se a entrega da Medalha do Dia de Minas Gerais. Neste ano, a comenda foi entregue a 47 personalidades e instituições e entre os agraciados deste ano estava S.A.R., O Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança. Durante a solenidade, O Duque de Bragança ofereceu ao Município de Mariana um quadro de Dona Maria Ana Josefa de Áustria, Mulher de Dom João V, e cujo nome deu origem ao nome da cidade. A obra é do século XIX. A
solenidade de comemoração do Dia de Minas começou com a sinerata, quando os sinos das Igrejas de Mariana tocaram por 15 minutos em comemoração ao Dia de Minas Gerais. Em seguida, o Governador passou revista à tropa da Polícia Militar e cumprimentou as autoridades que o aguardavam na Praça Minas Gerais. Além do presidente do Congresso Nacional, estavam presentes o Prefeito de Mariana, Celso Cota Neto, O Duque de Bragança, Dom Duarte, e os Secretários de Fazenda, Simão Cirineu, de Defesa Social, Maurício Campos Júnior, do Desenvolvimento Regional e Política Urbana, Dilzon Melo, da Cultura, Eleonora Santa Rosa e da Juventude e Desporto, Gustavo Côrrea. Logo após os cumprimentos, o governador assinou o acto de transferência simbólica da capital do Estado para a cidade de Mariana, que no dia 16, completou 312 anos. A Medalha Comemorativa do Dia do Estado de Minas Gerais foi instituída por Decreto Municipal, em 1980.

Condecoração de S.A.R., Dom Duarte de Bragança pelo Governador

SS.AA.RR., Os Duques de Bragança e Dom Afonso, na tribuna de honra, ouvindo o discurso do Senador.

Discurso do Governador: (...) Devo ao final, um agradecimento especial em nome de todos os mineiros das várias Minas, a Sua Alteza Real Dom Duarte de Bragança e a toda a sua família. Costumo dizer, Dom Duarte, que triste é aquele povo que não conhece a sua história porque ele, certamente, terá maiores dificuldades para construir o seu futuro. Sua Alteza, hoje, com extrema generosidade, em nome da Casa Real Portuguesa, nos entrega um retrato de Dona Maria Ana D’Austria. Quero dizer, neste instante, Sua Alteza Real, nos permite um reencontro com a nossa própria história. Não são apenas os mineiros de Mariana que levam o seu nome. São os mineiros de todas essas Minas Gerais, que se sentem hoje mais valorizados e, certamente, mais fiéis à belíssima construção que assistimos neste país para a contribuição dos portugueses.

O Duque de Bragança, Dom Duarte, acompanhado da Duquesa Dona Isabel de Herédia e dos Filhos, Dom Afonso de Santa Maria, Príncipe da Beira, Infante Dom Dinis de Bragança e Infanta Dona Maria Francisca de Bragança, entregou à cidade de Mariana um quadro com o rosto de Dona Maria Ana D´Austria, esposa de Dom João V, e cujo nome deu origem à cidade. A obra de arte, do século XIX, incorpora-se ao Património Histórico de Mariana.

O quadro foi transferido para o Rio de Janeiro através de um navio e posteriormente levado a Mariana. Em 1998, durante a visita à cidade, Dom Duarte de Bragança havia assumido o compromisso de doar o quadro.

Mariana. Em 16 de julho de 1696, bandeirantes paulistas encontraram ouro no ribeirão Nossa Senhora do Carmo. Às suas margens, nasceu o arraial de Nossa Senhora do Carmo, que logo se transformou em um dos principais fornecedores deste minério para Portugal e, pouco tempo depois, tornou-se a primeira vila criada na então Capitania de São Paulo e Minas de Ouro. Lá foi estabelecida também a primeira capital. Em 1745, por ordem do rei D. João V, a região foi elevada à cidade e nomeada Mariana – uma homenagem à rainha Maria Ana D’Austria, sua Mulher. Transformando-se no centro religioso do Estado, nesta mesma época a cidade passou a ser sede do primeiro bispado mineiro. Actualmente, Mariana guarda relíquias e casarios coloniais que contam parte da história do país. A cidade, integrante da Trilha dos Inconfidentes e do Circuito Estrada Real, foi tombada em 1945 como Monumento Nacional.
Clique nas imagens para ampliar

segunda-feira, 21 de julho de 2008

A RAINHA DO FADO

video

A Família Real esta em gozo de merecidas férias que bem as merecem como todos nós precisamos delas. Vai haver um "interregno" neste blog porque não vão haver por mais alguns dias, notícias actuais das acitividades da Família Real sobretudo de S.A.R., O Senhor Dom Duarte.

Já aqui foi noticiado uma tourada Real em Requengos de Monsaraz presidida por S.A.R., A Senhora Dona Isabel de Bragança.

Além das touradas, os fados também fazem parte das tradições portuguesas. E espero que não acabem também com elas!
Amália Rodrigues, continua a ser a voz inesquecível do fado. Amália já cantava sempre com saudades de "Lisboa de outras eras" e numa entrevista num programa do Herman José, que por acaso assisti, foi-lhe perguntado se era republicana, ao que ela respondeu apenas: "Ah, eu sou mais pela Monarquia"...
O Fado. Surgiu como uma forma de arte boémia nas classes trabalhadoras de Lisboa, nos bairros mais antigos da cidade - Alfama e Mouraria, nos finais do século XVIII. Com temas de fatalidade e conflito, sendo frequentemente cantada em tom de sofrimento e esta música tradicional conseguia ser partilhada por nobres, pedintes e marinheiros. O Fado tornou-se popular desde o séc.XVIII e com a Amália Rodrigues no século XX que tornou o Fado conhecido além fronteiras, actuando durante 4 meses seguidos no “La vie en Rose” nos anos 50. Amália como Monárquica cantava este fado "Lisboa Antiga" em que recorda as Touradas Reais, os 5 Reis das esperas e Lisboa como "linda Princesa"!
Senti uma tristeza profunda quando os desgovernantes deste país resolveram colocar no Panteão Nacional um bombista/terrorista/regicida ao lado de Amália Rodrigues! Isto realmente só lembra ao diabo! Será um caso para entrar para o Guinness?....

VIVER PORTUGAL! VIVER AS TRADIÇÕES!

quarta-feira, 16 de julho de 2008

TERRAS AGRÍCOLAS DESTRUÍDAS PELA CONSTRUÇÃO CIVIL
Revista "Magazine Grande Informação" - Julho/Agosto 2008
- Clicar na imagem para ampliar -

quinta-feira, 10 de julho de 2008

DOM DUARTE DIZ QUE HÁ CADA VEZ MAIS PESSOAS COM FOME
Visita. Representante Monárquico no Fundão.
O Chefe da Casa Real Portuguesa, Dom Duarte de Bragança, defendeu ontem que o Estado se deve preocupar em dar formação às famílias sobre a forma de gerir a economia doméstica, no contexto presente de crise alimentar."Há cada vez mais pessoas a passar fome em Portugal e isso é grave. Mas há também um problema de formação", disse aos jornalistas, à margem da sessão de abertura do colóquio "Crise Alimentar nos Centros Urbanos", que decorre no Fundão."Há muitas pessoas em situação difícil porque não sabem gerir a economia doméstica", refere. Dom Duarte mostrou-se ainda contra a atribuição de subsídios sem que quem os recebe "dê uma contrapartida" e defendeu uma aposta em "melhor educação"."Por exemplo, muitas pessoas não sabem planear uma dieta equilibrada, gastando menos. Pensam que todos os dias têm que pôr um bife à mesa", referiu Dom Duarte, considerando que o Estado tem um papel "fundamental" em fazer chegar formação a estas famílias."É para isso que pagamos impostos. Não é para construir auto-estradas inúteis e estádios de futebol, mas sim para educar e evitar que cheguemos a situações sociais como as que temos hoje", realçou."Não vejo que se fale de fome na Alemanha ou na Áustria, só aqu
i é que oiço isso", acrescentou. A iniciativa de ontem no Fundão foi organizada pelo Instituto da Democracia Portuguesa (de que Dom Duarte de Bragança é Presidente de Honra) em parceria com a Associação de Regantes da Cova da Beira e a Câmara do Fundão. Dom Duarte alertou ainda para a dependência alimentar de Portugal do estrangeiro, que só pode ser limitada "com uma revolução completa da política de planificação do território", destinando mais terras à agricultura. "A agricultura tem sido injustamente perseguida em Portugal", referiu. "Os agricultores portugueses recebem 40 por cento dos apoios que recebem os do resto da Europa." "E daquilo que vendem só retiram 15 a 20 por cento", concluiu. Ontem, no Fundão, não foi a primeira vez que Dom Duarte levou a cabo aquilo a que os seus apoiantes gostam de chamar "Monarquias Abertas". Já tinha estado no Alentejo, e o tema principal tinha sido a saúde. Além do colóquio sobre a "Crise alimentar nos grandes centros urbanos", Dom Duarte de Bragança tinha na agenda a assinatura de vários protcolos com instituições do distrito de Castelo Branco.































quarta-feira, 9 de julho de 2008

REPORTAGEM FOTOGRÁFICA DA REAL VSITA A MACEDO DE CAVALEIROS NO DIA 03 JULHO 2008S.A.R., O Senhor Dom Duarte, quando se deslocou a Macedo de Cavaleiros para participar na Feira de São Pedro, logo pela manhã, visitou a Associação de Defesa do Património Arqueológico do Concelho de Macedo de Cavaleiros - Terras Quentes. Aconselhou e acompanhou obras de reestruturação, manutenção e consolidação que se operam no Património do Concelho, de forma a tentar minorar os efeitos negativos das mesmas. http://www.terrasquentes.com.pt/ . Na foto, Dom Duarte na oficina de conservação e restauro em Vale da Porca.
Depois de ter visitado a Oficina de Restauro, S.A.R., Dom Duarte almoçou no restaurante/bar da Praia da Fraga da Pegada, no Azibo. A Paisagem Protegida da Albufeira do Azibo, é uma área protegida de âmbito regional que tem como objectivos a conservação da natureza e a valorização do seu património natural, como pressuposto de um desenvolvimento sustentável e ainda a promoção do repouso e do recreio ao ar livre em equilíbrio com os valores naturais salvaguardados. - http://www.azibo.org/Sua Alteza foi entrevistado na Associação Comercial e Industrial de Macedo de Cavaleiros (ACIMC), pela rádio da região. Depois de longos anos sem uma estrutura associativa, após a extinção do Grémio do Comércio, os empresários do Concelho de Macedo de Cavaleiros sentiram necessidade de criar a Associação Comercial e Industrial. - http://www.acimc.pt/
À noite, realizou-se um Jantar Real no restaurante "O Montanhez"
Depois do Jantar Real, S.A.R., Dom Duarte, foi visitar a Feira de São Pedro.

terça-feira, 8 de julho de 2008

DOM DUARTE RELANÇA "MONARQUIAS ABERTAS"
Fundão. Chefe da Casa Real volta ao terreno para debater a crise alimentar. Dom Duarte Pio de Bragança vai voltar amanhã ao terreno, desta vez no Fundão, para debater o tema "Crise alimentar nos centros urbanos". O Chefe da Casa Real Portuguesa participa e encerra uma jornada de reflexão sobre os efeitos da crise na alimentação nas cidades e o desenvolvimento do mundo rural, organizada pelo Instituto da Democracia Portuguesa (IDP) em parceria com a Associação de Beneficiários da Cova da Beira e com o apoio da Câmara Municipal do Fundão, liderada por Manuel Frexes, eleito pelo PSD, presidente dos Autarcas Sociais-Democratas (ASD) e conhecido "santanista". Esta não é a primeira vez que Dom Duarte se lança numa iniciativa que muitos consideram uma "marcação à linha" às chamadas "presidências abertas" que o Chefe do Estado normalmente empreende - com Cavaco Silva chamam-se "roteiros". No Alentejo, e com a Saúde como tema principal, o assunto foi alvo de debate aceso, inclusivamente entre Monárquicos, na imprensa e na blogosfera nacional. Nestas autênticas "Monarquias abertas", como lhes chamam os indefectíveis de Dom Duarte, participa um batalhão de especialistas em várias áreas, como: Canaveira Campos (presidente do Instituto Cooperativo António Sérgio), Campos Neves (Instituto Superior de Fafe), general Rodolfo Bacelar Begonha (antigo director da Polícia Judiciária Militar nos governos de Cavaco), Manuel Pereira Barrocas, Gonçalo Ribeiro Telles, Manuel Ferreira dos Santos, Frederico Brotas de Carvalho (um dos autores do "Erro da Ota), Fernando Paulouro, Mendo Henriques e António Gomes. Como fazem os chefes de Estado, há também lugar para a assinatura de protocolos com associações de agricultores de Castelo Branco, de beneficiários de regadios da Idanha e da Cova da Beira, UBI, Escola Superior Agrária de Castelo Branco, Universidade de Badajoz e a Direcção Regional de Agricultura.
Fonte: Diário de Notícias de 08-06-2008
S.A.R., DONA ISABEL ESTEVE PRESENTE NA CORRIDA DE GALA À ANTIGA PORTUGUESA


Realizou-se no passado dia 10 de Junho de 2008, Dia de Portugal, a Corrida de Gala à Antiga Portuguesa - Séc. XVIII , em Homenagem a El-Rei Dom Carlos I, presidida pr SS.AA.RR., Os Duques de Bragança, na praça de toiros de Reguengos de Monsaraz.
No intervalo, S.A.R., Dom Duarte de Bragança entregou ao Lar Nossa Senhora de Fátima da Santa Casa da Misericórdia de Reguengos de Monsaraz, o prémio generosamente cedido para o efeito pelo Sr. António Vozone, obtido no último Concurso Hípico Internacional de Reguengos de Monsaraz.
Perante toiros da ganadaria de Murteira Grave, perfilaram-se os cavaleiros Joaquim Bastinhas, Luis Rouxinol, Vitor Ribeiro, Pedro Salvador, Manuel Telles Bastos e Taigo Carreiras e ainda os grupos de Forcados Amadores de Montemor e Amadores de Vila Franca capitaneados por José Maria Cortes e Vasco Dotti, respectivamente.
VIVER PORTUGAL! VIVER AS TRADIÇÕES!
Fotos de: João Costa Pereira (Repórter Fotográfico)

sexta-feira, 4 de julho de 2008

VISITA DE DOM DUARTE AO BALNEÁRIO DOM AFONSO HENRIQUES - TERMAS DE SÃO PEDRO DOSUL - 29-06-2008
À chegada, acompanhado pelo Presidente da Câmara Municipal e Vereadores. Os funcionários vieram saudar S.A.R..
Vejam o rapazinho já pronto para tirar uma foto com o seu telemóvel. Espero que seja um futuro monárquico!
António Homem Cardoso, fotógrafo da Família Real, Presidente da Câmara e outras individualidades

Como de costume, Dom Duarte recebe presentes oferecidos pelas Autarquias.
Quero agradecer ao Senhor Pedro Xavier, do Gabinete de Apoio da Câmara Municipal de São Pedro do Sul, a gentileza que teve em enviar-me estas fotos e respectiva autorização para as colocar no blogue da Família Real Portuguesa. Bem haja!
Esta visita ao Balneário Dom Afonso Henriques faz parte da programação da Real Visita a Viseu já anunciada neste blog: http://realfamiliaportuguesa.blogspot.com/2008/06/visita-real-viseu-nos-dias-28-e-29-de.html
RAINHA SANTA ISABEL - PADROEIRA DE COIMBRA
Hoje 4 de Julho 2008, comemora-se o dia da Rainha Santa Isabel. A Rainha Santa Isabel foi casada com El-Rei Dom Dinz, Rei de Portugal. Dona Isabel costumava dizer “Deus tornou-me Rainha para me dar meios de fazer esmolas.” Sempre que saía do paço era seguida por pobres e andrajosos a quem sempre ajudava.
Após a morte de seu marido, entregou-se inteiramente às obras assistenciais que havia fundado, não podendo vestir o hábito das clarissas e professar os votos no mosteiro que ela mesma havia fundado, fez-se terciária franciscana, após ter deposto a coroa real no santuário de São Tiago de Compostela e haver dado seus bens pessoais aos necessitados. Fixou residência em Coimbra, junto ao convento de Santa Clara, nos Paços de Santa Ana, de que faria doação ao convento. Mandou edificar o Hospital de Coimbra junto à sua residência, o de Santarém e o de Leiria para receber enjeitados.
Viveu uma profunda caridade sendo sempre sensível às necessidades dos pobres e excluídos. Viveu o resto da vida em pobreza voluntária, dedicada aos exercícios de piedade e de mortificações.
A Rainha Dona Isabel faleceu a 4 de Julho de 1336, deixando em testamento grandes legados a Hospitais e Conventos.
Foram atribuídos muitos milagres, como a cura da sua dama de companhia e de diversos leprosos. Diz-se também que fez com que uma pobre criança cega começasse a ver e que curou numa só noite os graves ferimentos de um criado. No entanto o mais conhecido é o milagre das rosas.
Reza a lenda que, durante o cerco de Lisboa, D. Isabel estava a distribuir moedas de prata para socorrer os necessitados da zona de Alvalade, quando o marido apareceu. O Rei perguntou-lhe: “O que levais aí, Senhora?” Ao que ela, com receio de desgostar a Dom Dinis, e, como que inspirada pelo céu respondeu:
Levo rosas Senhor....” E, abrindo o manto, perante o olhar atónito do Rei, não se viram moedas, mas sim rosas encarnadas e frescas.
Beatificada pelo Papa Leão X(breve de 15/04/1516) e em 1625 foi canonizada pelo Papa Urbano VIII.

ORDEM REAL DE SANTA ISABEL
A Ordem Real de Santa Isabel é uma ordem honorífica dinástica portuguesa. A insígnia desta ordem, (com banda de cor-de-rosa com lista branca ao centro) é um medalhão coroado, com a figura de Santa Isabel de Portugal dando esmola a um mendigo, sobrepujando a legenda latina Pauperum Solatio.
A Ordem foi instituída em 4 de Novembro de 1801 pelo Príncipe Regente Dom João, que atribuiu o Grão-Mestrado da mesma ordem à sua mulher, Dona Carlota Joaquina. Tratando-se de uma obra exclusivamente feminina, o seu objectivo é distinguir senhoras católicas, num número limitado de vinte e seis damas. Durante a Monarquia as Rainhas/Grã-Mestras desta Ordem, além das senhoras distinguidas pelos objectivos desta ordem (na sua maioria pertencentes à nobreza), agraciaram também Rainhas católicas estrangeiras. Dona Augusta Vitória, esposa do Rei Dom Manuel II, ainda que no exílio, utilizou a insígnia de Grã-Mestra. Após algumas décadas de inactividade, a ordem foi recentemente reactivada, com o estatuto de ordem dinástica da Família Real Portuguesa, sendo actualmente Grã-Mestra a Duquesa de Bragança (D. Isabel de Herédia de Bragança), que costuma agraciar novas damas da Ordem, na festa da Rainha Santa Isabel (no dia 4 de Julho dos anos pares), em Coimbra.

PROGRAMA RELIGIOSO 2008
Quanto ao programa religioso, esteve sob a responsabilidade da Confraria da Rainha Santa, e começou como Tríduo preparatório (1 a 3 de Julho) que foi Presidido por D. Carlos Azevedo, Bispo Auxiliar de Lisboa. No passado sábado, como é habito todos os anos por esta altura, um grupo de zeladoras das Irmãs da Rainha Santa Isabel entregou alimentos essenciais para uma semana a cerca de 350 famílias consideradas das mais carenciadas de todas as paróquias da cidade. A iniciativa decorreu nos claustros do Convento de Santa Clara-a-Nova.
4 de Julho
16.30 horas, com a presença dos Duques de Bragança, a Eucaristia foi Presidida pelo Cónego Marim, do Patriarcado de Lisboa, em que participaram as Reais Ordens de Santa Isabel e de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.
10 de Julho - 17 horas - será celebrada uma Eucaristia na Igreja da Rainha Santa Isabel.
19 horas - iniciar-se-á a procissão de penitência com saída da Igreja da Rainha Santa em direcção à Igreja da Graça.
13 de Julho - 17 horas, iniciar-se-á a procissão solene com saída da Igreja da Graça, em direcção à Igreja da Rainha Santa Isabel.
VISITA REAL A MACEDO DE CAVALEIROS
Feira de São Pedro celebra 25 anos.
Ao longo dos 25 anos da sua existência já passaram pela Feira de São Pedro, certame que se realiza anualmente na cidade de Macedo de Cavaleiros, um milhão e 450 mil visitantes o que prova a vitalidade da iniciativa. O certame arrancou no dia 25 de Junho e termina a 5 de Julho. A feira/festa conta com um cartaz recheado de música e actividades paralelas, onde se destacam um serie de colóquios temáticos e actividades desportivas e motorizadas. A Feira de São Pedro é a maior feira das actividades económicas da região. As empresas mostram aqui o que de melhor e mais inovador fazem. A XXV edição do certame contará também, como tem acontecido nas edições anteriores, com outras actividades e espectáculos musicais de qualidade. Ontem dia 3 de Julho 2008, às 17h00, realizou-se o colóquio subordinad
o ao tema “Património, Turismo e Natureza” que contou com a presença de Dom Duarte Pio – Duque de Bragança. Ás 20h00, Dom Duarte jantou no Restaurante "O Montanhez" e visitou a feira com outras individualidades.